Linfedema

Quadro clínico e tratamento

Definições Gerais

Linfedema é o acúmulo de líquidos e proteínas no espaço que se encontra fora dos vasos e células do organismo, o qual é chamado espaço intersticial.

Os vasos linfáticos são encontrados em todo o corpo e ajudam a recircular o líquido que está fora das artérias e veias, participam da defesa do organismo, da absorção e transporte de nutrientes.

Pode ocorrer nas formas primária e secundária.  A primária pode ser congênita quando é causada por uma má formação nos vasos linfáticos do organismo e o inchaço nas pernas (ou em outros locais acometidos) pode ser visto desde o nascimento ou até o primeiro ano de vida, na forma primária ( não congênita) o edema aparece mais tarde e ocorre por uma diminuição ou ausência de vasos linfáticos do membro acometido ( geralmente as pernas), é mais prevalente em mulheres ( 2 a 10 vezes maior que em homens), na faixa etária de 12 a 16 anos . A forma secundária ocorre em pessoas que apresentaram algum tipo de lesão dos vasos linfáticos do organismo por trauma, erisipela, filariose, cirurgias, radioterapia, entre outros.

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito com exame físico e utilização de exames complementares como linfocintilografia ( avalia a circulação dos vasos linfáticos), ultrassom doppler dos vasos entre outros.

Tratamento

O tratamento é realizado, dependendo da causa do linfedema, com fisioterapia, compressão elástica, uso de medicações linfocinéticas, prevenção e tratamento das infecções associadas. Perda de peso, dieta e exercícios físicos também podem ajudar no controle da doença.

A sequência no tratamento é:

Primeiro a descompressão: é a hora em que se realiza enfaixamento compressivo com faixas elásticas de baixa elasticidade e associado ou não a espuma de poliuretano. Nessa fase realiza-se a drenagem linfática manual 4-5 vezes por semana. Essa fase dura de 1-2 semanas. Nessa fase também se trata as possíveis portas de entrada para bactérias (micoses, rachaduras)

Segunda fase: Manutenção: nessa fase com o membro já sem o inchaço, realiza-se o uso e adaptação a meia elástica de alta compressão e mantém-se a drenagem mas com menos frequência.

Terceira fase: Manutenção e profilaxia: nessa fase estuda-se medidas para diminuir os fatores associados com a piora do linfedema: tratamento de varizes associadas, diminuição do peso e atividades físicas, uso de antibiótico por tempo longo, etc…

Mais informações sobre os cuidados e vídeos sobre enfaixamento clique aqui.

Veja o vídeo sobre o enfaixamento de linfedema: 

Share This
WhatsApp chat