Doença Arterial Obstrutiva Crônica

por jan 9, 20150 Comentários

Definições Gerais

A Doença Arterial Obstrutiva Crônica Periférica (DAOP) é a condição associada a oclusão ou estreitamento das artérias dos membros inferiores e superiores.

Essa doença está associada comumente ao desenvolvimento da aterosclerose e tem como causas: idade, sexo masculino, diabetes, tabagismo, sedentarismo, dislipidemia.

Quadro Clínico

O quadro clínico inicial é a perda dos pulsos dos pés e das mãos e a chamada claudicação. Claudicação arterial é quando o paciente tem uma dor na perna ou no braço após a realização de uma atividade por um mesmo tempo. Por exemplo: um paciente que, após caminhar, 100 metros, começa a ter dor em panturrilha de forte intensidade que o obriga a parar. Após alguns minutos parado o paciente relata melhora da dor e depois volta a andar novamente e para nos mesmos 100 metros caminhados.

Outra sintomatologia que ocorre é a dor em repouso em casos mais avançados. A dor é de forte intensidade e acompanhada de membros frios e palidez. Os pacientes melhoram com o membro pendente.

O estágio mais avançado da doença é quando desenvolvem lesões nos pés e mãos. São lesões necróticas muito dolorosas e associados a membros gelados e, muito frequentemente, sem pelos.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito pelo exame clínico – palpação dos pulsos.

Além disso podemos utilizar o ultrassom doppler arterial, angiotomografia e angioressonância.

Tratamento

Em pacientes claudicantes o tratamento inicial é clínico com uso de medicamentos, controle dos fatores de risco. Utilizamos medicamentos vasodilatadores (cilostazol) e antiagregantes plaquetários (AAS).

Em pacientes com claudicação grave e falha do tratamento clínico, dor em repouso e em pacientes com feridas, indicamos o tratamento cirúrgico preferencialmente.

O tratamento cirúrgico pode ser convencional (ou aberto) ou endovascular. No tratamento aberto realizamos pontes (geralmente de safena) ultrapassando o ponto obstruído. São necessárias incisões nas coxas e pernas e a recuperação internado pode durar dias.

O tratamento endovascular é realizado através de punções nas artérias e implante de stents ou dilatação com balões das artérias obstruídas.

A escolha de cada método é complexa e leva em conta a anatomia, a lesão, o risco operatório, etc.

Mais informações sobre os procedimentos clique em “Procedimentos” na página principal.

Nessas imagens podemos verificar um paciente com oclusão das artérias ilíacas (esquerda) e depois do tratamento com angioplastia (direita). Note que a área ocluída foi recanalizada por cateterismo e implante de stents.

Share This
WhatsApp chat