Tratamento dos vasinhos com espuma

por | abr 15, 2017

O tratamento com espuma é aquele em que realizamos a escleroterapia dos vasos com uma substância chamada polidocanol. O polidocanol é um agente químico que, misturado com o ar ou CO2 através de uma torneira de 3 vias, forma uma espuma branca que tem uma consistência de um mousse.

Essa espuma é injetada dentro da veia e o seu contato com parede  interna do vaso causa uma inflamação controlada, deteriorização deste e reabsorção pelo próprio corpo.

Diferentemente da escleroterapia convencional com glicose, a espuma causa uma reação mais intensa sobre o vaso. Além disso, a espuma tem a capacidade de ocupar espaço quando injetado espalhando em outros vasos adjacentes. Isso faz com que a espuma tenha a capacidade de tratar veias mais calibrosas e uma maior resolutividade na escleroterapia.

Apesar disso, a espuma pode causar manchas escuras de pele com mais frequência e especialmente em pacientes com a pele morena. Quando ocorrem, essas manchas tendem a sair em torno de 0% em 6 meses e 90-100% em 1 ano. Pela sua maior agressividade, necessita ser injetada com cuidado em mãos experientes.

Sendo assim, deve ser utilizada em vasos mais calibrosos em que a chance de complicações é pequena. Além disso, não pode haver comunicação direta com a veia safena e veias perfurantes. Quando há essa suspeita realizamos um US doppler bem feito para tirar a dúvida.

Share This
WhatsApp chat